banner filme 1

O que achamos do filme 1- Estrelas Além do Tempo

Bom dia amora,

Vamos falar de filme? Lembra da lista maravilhosa que postamos no dia da mulher? Não?
Te atualizando, encontramos uma lista de 37 filmes e documentários com protagonismo feminino  compartilhamos aqui no blog, além disso nos lançamos o desafio de assistir um por semana.
A proposta é provocar a troca de experiência, fomentar um espaço onde possamos conversar, passar nossos sentimentos, impressões, colocar o nosso lado de cinéfilo amador pra fora e trocar coletivamente.

Vamos embarcar nessa?

Segue o link do post que será o nosso guia pelo universo das 37 maravilhas;

http://www.bantu.com.br/2017/03/06/sessao-pipoca-dicas-de-filmes-com-mulheres-protagonistas-dia-internacional-da-mulher/

Se você conhecer algum filme que não esteja nessa lista, deixe nos comentário  vai ser lindo aumentar essa lista do amor. ♥

Semana passada quebramos a corrente, não teve postagem mais assistimos o filme, então essa semana teremos 2 posts em vez de 1.

 

 

1- Estrelas além do tempo (Hidden Figures)

O primeiro da lista já estava bem fresquinho, o filme é um drama biográfico de 2016.

Vi muitas críticas, positivas, normais, alfinetadas mas darei minha impressão de forma rasa como mulher negra. Assisti ao filme duas vezes e em ambas ele despertou um mix de sentimentos. Maaaanas, esse filme pra mim foi daqueles que te faz rir, chorar, ficar puta, agradecer, querer honrar, querer lutar, bate orgulho, bate tristeza foi um turbilhão de sentimentos mesmo. Tem muita cena inspiradora, acho que é o tipo de filme que todo mundo deve assistir!
Não sou nenhuma crítica ou entendida de cinema, mas sou apaixonada por filmes e amei o filme, ele não é do tipo soco no estômago,  é sutil mais toca na ferida legal em vários pontos.

Ele mostra a trajetória de três mulheres negras, em 1961, durante a Guerra Fria, que fazem parte da equipe chamada de “computadores humanos”, dentro do programa espacial americano, na NASA.
A história retrata algumas das dificuldades que Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe) passaram para provar suas competências dia após dia,  em um ambiente machista e segregado e a resistência para conseguirem ascender na hierarquia dentro da organização. Qualquer semelhança não é mera coincidência.
É um filme que tem mulheres afrodescendentes matemáticas como protagonistas e sua realidade dentro do programa espacial americano, Katherine fez parte da equipe especial de cálculos, Dorothy foi a supervisora da equipe que operou o primeiro computador, Mary foi a primeira mulher e negra engenheira durante a disputa entre as superpotências da época URSS e EUA pela primazia sideral, momento em que a URSS se preparava para colocar o primeiro homem no espaço, enquanto os EUA ainda não tinham conseguido sucesso em seus lançamentos.

Assistam!

Abrindo agora minha caixinha das minhas reflexões, destaco;

  • O filme é maravilhoso, e mesmo com a indicação para o Oscar não vi passar em cinemas e horários mais populares ou acessíveis. (assisti no Stremio)
  • A história se passa em 1961, somente a 56 anos atrás.
  • São mostradas questões como racismo, machismo, sonhar, acreditar, a diferença que faz o conhecimento, representatividade, empoderamento (aqui no sentido de dar poder mesmo)
  • Me bate uma força e me sinto muito honrada quando vejo histórias de mulheres incríveis como elas, bate aquele senso de obrigação e funciona como potencializador para o entendimento de que há muito a se fazer e me pergunto como posso fazer minha parte.
  • Me sinto no dever de compartilhar, acredito muito na corrente de que mulheres precisam acessar histórias de mulheres incríveis como essa.
  • Resistir, lutar, ter fé, fazer o que posso hoje, não aceitar o sistema, SONHAR!
  • A semelhança com a atualidade de ainda precisarmos ser as primeiras.

 

Agora vamos de desafio? Quais foram os momentos que mais te marcaram? Super difícil, não?!

Tem muito momento marcante, mas vou dizer os três primeiros que vem a minha mente, uma para cada personagem:

1- A primeira cena que a Katherine Johnson vai ao banheiro, é do tipo sério?
Aproveito o gancho da cena para citar também o memento que ela vai ao banheiro e começa da chover, na volta toda molhada ela é questionada na frente de todos na sala. Essa cena pra mim foi marcante, no momento que te da vontade de gritar por ela, vem aquele arrepio, e nos lembra de como a luta continua e que ainda temos muito a conquistar.

2 – O momento de promoção da Dorothy Vaughn, a hora que ela consegue a suada promoção mas nega se não levar a sua equipe foi uma das cenas que me deu um nó na garganta, um aperto no peito, em seguida quando vem a cena dela na frente das meninas andando pelos corredores para mudar de prédio, bate aquele momento é isso! Bate um misto de orgulho, tapa na cara, exemplo, afirmação de que precisamos resgatar o “nós por nós” nos unir sim.

3- Da Mary Jackson escolho a cena do tribunal, quando ela pede pra se aproximar do juiz e faz a sua defesa, a forma como ela usa as palavras com sabedoria, como se coloca acreditando no seu potencial sempre de cabeça erguida, e faz o emocionante discurso de ser o primeiro, me arrepio só de relembrar, que momento! No momento em que ela consegue eu não sabia se chorava, comemorava, dei um grito junto com ela, foi incrível, emocionante, reflexivo e inspirador.

 

E você? Como se sentiu? Quais foram os 3 momentos que mais te marcaram?
Deixe nos comentários.

 

Beijos meus,

Renata da Bantu

 

“Sua pele carrega história,
Nossa roupa ilustra.”

cropped-13443127_876114272493245_5739661386634319869_o-1.jpg

 

Deixe uma resposta